Especialistas americanos dão curso sobre os riscos à saúde em áreas contaminas

Trinta funcionários de quatro áreas da CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, que trabalham com questões relativas a áreas contaminadas, permaneceram reunidos durante três dias num centro de treinamento localizado na avenida Paulista para participar do curso “Avaliação de Risco à Saúde Humana em Áreas Contaminadas”, ministrados por dois especialistas norte-americanos.

Esse treinamento está inserido no Plano de Capacitação e Formação Profissional Continuada, coordenado pela Diretoria de Gestão Corporativa, por intermédio dos seus departamentos AR – Departamento de Gestão de Recursos Humanos, ARD – Divisão de Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos e ARDC – Setor de Capacitação Técnica para Gestão Ambiental.

“Os treinamentos sempre foram feitos com o técnico tendo de se deslocar para um determinado país para fazer o curso. Esta é a primeira vez em que dois consultores internacionais vêm ao Brasil, especialmente para capacitar o nosso pessoal”, ressaltou Alfredo Rocca, gerente da Divisão de Áreas Contaminadas da CETESB e coordenador do curso.

Referência internacional em áreas contaminadas, o consultor americano Troy Schultz participou do desenvolvimento dos procedimentos de risco para a Environmental Protection Agency – EPA, agência ambiental norte-americana, representando o Estado de Ohio. O outro docente é o professor Robert Clearlw, mestre em várias universidade dos Estados Unidos, inclusive a de Tampa, na Califórnia, e trabalha na área de geologia com caracterização de locais contaminados e modelagem matemática. O contato com os dois especialistas ocorreu por intermédio da empresa canadense Waterloo Hidrogeologic, especializada na área ambiental, cujo proprietário é brasileiro.

Iniciado na terça-feira (30/12), o curso se encerra nesta quinta-feira (2/12) e tem como objetivo a capacitação dos técnicos, promovendo a uniformização dos conhecimentos em uma área que está em desenvolvimento em todo o mundo. “O curso marca, também, o início de uma nova fase nos trabalhos que estamos executando para definir os procedimentos da CETESB em relação à avaliação de risco à saúde humana em área contaminada”, destacou Rocca.

O conteúdo do curso contemplou dois itens básicos: como caracterizar devidamente uma área contaminada e como utilizar devidamente os dados obtidos para fazer a avaliação de risco à saúde humana. Participaram do treinamento técnicos das áreas de controle, áreas contaminadas, qualidade do solo, águas subterrâneas, vegetação e resíduos sólidos.

“A abordagem tradicional de avaliação da qualidade do ar ou das águas utiliza padrões de qualidade estabelecidos em lei. No caso de áreas contaminadas, temos de levar em consideração o cenário de uso e ocupação do solo, características do local e a presença ou não de receptores do risco. A partir dessas informações é que vamos definir o tipo de intervenção que será feita”, informou o coordenador do curso.

Texto:
Cris Olivette
Fotos:
José Jorge