Curso sobre gestão ambiental do solo reúne mais de 250 alunos

A qualidade e a proteção do solo e das águas subterrâneas foram os temas das discussões no segundo módulo curso de Gestão Ambiental no Estado de São Paulo: Políticas, Planejamento e Gerenciamento, realizado na quinta-feira (16/3) pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado, com mais de 250 participantes, além dos que acompanharam as palestras pela Internet.

O módulo tratou do tema “Gestão Ambiental do Solo”, iniciando-se com a palestra de Dorothy Carmem Casarini, bióloga, mestre pela University of Utah, dos Estados Unidos, doutora pela Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo – USP, professora colaboradora do Instituto de Geociências no Programa de Pós-graduação da USP, gerente da Divisão de Qualidade de Solos, Águas Subterrâneas e Vegetação da CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. A palestrante afirmou que é necessária, como ocorre com as águas superficiais, por meio da Resolução CONAMA 357/2005, a criação de uma classificação para as águas subterrâneas para proteger esse recurso natural de forma mais efetiva.

Em seguida, o engenheiro Alfredo Carlos Cardoso Rocca, engenheiro civil, mestre em engenharia hidráulica e sanitária pela Escola Politécnica, da USP, e gerente da Divisão de Áreas Contaminadas da CETESB, falou sobre o tema “Gerenciamento das Áreas Contaminadas”, apresentando as principais atividades que causam a poluição do solo e águas subterrâneas e as medidas que devem ser adotadas para a sua remediação. Após as apresentações foi aberto um debate entre os dois palestrantes.

No período da tarde, Maria Helena de Andrade Orth, engenheira química industrial, mestre pela Escola Politécnica, da USP, ex-secretária de Serviços Públicos do Município de São Paulo, presidente da Comissão de Estudo Especial de Meio Ambiente da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT e diretora-presidente da Proema Engenharia, fez uma palestra sobre “Gerenciamento dos Resíduos Domésticos” mostrando que é necessário separar o lixo na fonte poluidora antes de destiná-lo à reciclagem.

Maria Cecília Pires, química e engenheira química, mestre pela University of London e gerente da Divisão de Resíduos Sólidos da CETESB, apresentou a palestra “Gerenciamento dos Resíduos Industriais” apontando as prioridades no controle dessa fonte de poluição. Segundo Maria Cecília, pode-se entender como preferenciais os sistemas que representem um alto risco à saúde pública, que estejam localizados em áreas de proteção ambiental ou uso restrito ou ainda aqueles que recebam grandes quantidades de resíduos.

O tema “Gerenciamento dos Resíduos Industriais” foi desenvolvido por Vital de Oliveira Ribeiro Filho, arquiteto, mestre em Gestão Ambiental pela Fundação Getúlio Vargas – FGV-SP e arquiteto da Divisão de Meio Ambiente do Centro de Vigilância Sanitária, que fez um histórico da destinação dos resíduos de saúde a partir dos anos 70, momento em que se passou dar mais atenção a esse tipo de resíduo.

A última palestra coube a Aruntho Savastano Neto, engenheiro civil, assistente executivo da Diretoria de Controle de Poluição Ambiental da CETESB, que apresentou o Inventário de Resíduos Sólidos que avalia, por meio de notas, as condições em que se encontram os sistemas de disposição e tratamento de resíduos sólidos domiciliares nos 645 municípios do Estado de São Paulo.

O evento, que faz parte do Ciclo de Cursos de Educação Ambiental, foi organizado pelo Departamento de Educação Ambiental da Coordenadoria de Planejamento Estratégico e Educação Ambiental, órgão da Secretaria do Meio Ambiente.