Encontro debate recuperação energética

A Tecnologia transforma o resíduo em energia elétrica e térmica aproveitando seu poder calorífico como combustível

A recuperação energética é uma das alternativas de destinação ambientalmente adequada prevista na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e complementar para reduzir a quantidade de rejeitos disposta em aterros sanitários. Para debater o tema, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) participou do Diálogos Abrelpe, realizado na Ecomondo Brasil – Feira de Soluções Tecnológicas para a Gestão da Sustentabilidade, na terça-feira, 21 de maio, na São Paulo Expo.

De acordo com o diretor-presidente da Associação Brasileira de Empresas Públicas e Resíduos Especiais (Abrelpe) Carlos Roberto Vieira da Silva Filho, o Brasil é o quinto maior gerador de resíduos no mundo, o que torna imprescindível melhorar as boas práticas ambientais e avançar na agenda sustentável e moderna que é a geração de energia pelo lixo.

Na abertura do evento, a diretora-presidente da CETESB Patrícia Iglecias destacou que uma feira focada em meio ambiente é uma oportunidade para fazer a pauta ambiental acontecer. “Estamos focados em inovação, pois as novas tecnologias são importantes para a geração de energia. E temos o CETESB de Portas Abertas para receber as demandas e dar as orientações necessárias para que o licenciamento seja um processo ágil”.

O Painel I abordou o atual quadro regulatório e as tecnologias de recuperação energética dos resíduos sólidos no Brasil. O secretário de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente André França falou da necessidade de aproveitar a geração de resíduos no país, mas de maneira a assegurar proteção ao meio ambiente e à saúde.

Já o especialista da Confederação Nacional da Indústria Wanderley Coelho Baptista destacou os benefícios da recuperação energética e a importância da viabilidade econômica e da segurança jurídica para sua implantação.

E o assistente técnico da Diretoria de Controle e Licenciamento Ambiental da CETESB Cristiano Kenji abordou o cenário estadual e explicou que a companhia fiscaliza os aterros e trabalha para avançar na gestão ambiental dos resíduos. “O estado de São Paulo já possui regulamento específico e as regras atuais para o licenciamento atendem as demandas para empreendimentos de recuperação energética”.

Ainda sobre resíduos sólidos, o assistente executivo da Presidência da CETESB João Luiz Potenza destacou que a companhia orienta os municípios quanto às boas práticas ambientais em sua gestão CETESB de Portas Abertas. Lembrou também do Sigor – Sistema Estadual de Gerenciamento Online de Resíduos Sólidos – módulo Construção Civil e da exigência de um sistema de logística reversa na renovação da licença ambiental como ferramentas para melhorar a gestão dos resíduos.

Cristiano Kenji

João Luiz Potenza

Texto: Luciana Reis
Fotos: Gilberto Ruiz