Publicação “Acordo Ambiental São Paulo – 56 cases de sucesso” é apresentada na CETESB

Fruto do Acordo Ambiental São Paulo, a obra reúne 56 casos de sucesso de empresas que aceitaram o desafio voluntário de reduzir emissões de gases do efeito estufa.

Depois de passar dois anos sem a realização de eventos, por conta do período pandêmico, o Auditório Augusto Ruschi, da CETESB, voltou a receber o público externo, na noite de quarta-feira, 06/04, para apresentação do livro “Acordo Ambiental São Paulo – 56 cases de sucesso”.

A publicação resulta do Acordo Ambiental São Paulo, lançado pelo Governo do Estado, por meio das Secretarias de Relações Internacionais e de Infraestrutura e Meio Ambiente, e concebido e coordenado tecnicamente pela CETESB, em novembro de 2019.

A abertura foi conduzida pela diretora-presidente da CETESB, Patrícia Iglecias, que deixou evidente sua alegria pela realização do evento na sede da Companhia. “Essa publicação foi lançada primeiramente em Glasgow, durante a COP 26. Agora, temos a oportunidade de apresentá-la aqui em São Paulo, porque muitos de vocês não estiveram na Escócia. Aproveito para agradecer a parceria com a UNICA – União da Indústria de Cana-de-Açúcar, sob presidência de Evandro Gussi, que coordenou os trabalhos, por ser esse um setor extremamente expressivo no tema.”

A dirigente da Companhia agradeceu o investimento feito pela Investe São Paulo, agência que fomenta negócios com viés de sustentabilidade. “A construção conjunta entre público e privado tem se mostrado muito exitosa no Estado de São Paulo.”

Márcio Rea, diretor-presidente da EMAE – Empresa Metropolitana de Águas e Energia, foi um dos integrantes da mesa. Ele agradeceu a oportunidade da Empresa participar de uma publicação tão importante para o Estado, que contém práticas ambientais e experiências que farão a diferença na agenda climática mundial.

“Como empresa de energia elétrica e de gestão de recursos hídricos, nosso trabalho também está focado na busca de soluções de geração de energia elétrica mais sustentável e de baixa emissão de carbono, como a implantação de usinas fotovoltaicas flutuantes nos espelhos-d’águas das represas Billings e Guarapiranga, para que o nosso país se torne cada vez mais ambientalmente correto”, afirmou.

A dedicação de Patrícia Iglecias foi destacada por Affonso Massot, secretário de Estado de Relações Internacionais. “Ela é motivo de inspiração para todos que trabalham no campo da sustentabilidade e na defesa do meio ambiente. Aproveito para parabenizar toda a equipe da CETESB que tem desempenhado um trabalho magistral.”

Massot afirmou que, desde 2019, a secretaria de Relações Internacionais tem a honra de acompanhar e de contribuir para a relação do Acordo Ambiental São Paulo. “Essa interlocução se deu sobretudo por meio de contatos com parceiros internacionais relevantes, que foram convidados a aderir ao acordo na condição de observadores internacionais. Hoje, constatamos com satisfação que, o acordo é composto por organismos multilaterais como o PNUD- Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Consulado Britânico em São Paulo, bem como pelas Câmaras de Comércio da Itália e Catalunha.”

Segundo ele, o Acordo Ambiental é um grande símbolo da atual gestão do Governo, norteado pelo desenvolvimento sustentável e preceitos ESG, que conseguiu construir um modelo harmonioso de relacionamento entre o setor privado, o setor público e o meio ambiente.

O secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, saudou os colaboradores da CETESB e agradeceu a participação de todos na integração da infraestrutura com o meio ambiente. “Os próximos três anos são cruciais e a CETESB largou na frente com o Acordo Ambiental São Paulo, no qual o setor produtivo vem de forma voluntária se aliar ao compromisso de reduzir emissões de gases do efeito estufa e continuar produzindo. Vamos buscar de maneira conjunta a neutralidade na emissão e melhor qualidade de vida, para deixarmos um legado para os nossos filhos e netos. O livro mostra que é possível crescermos de maneira sustentável e respeitando o meio ambiente.

Cenários e desafios

Antes do lançamento, houve um painel de discussão, aberto pela pesquisadora brasileira e vice-presidente do IPCC – Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima, Telma Krug. Ela expôs os resultados do mais recente relatório do grupo III do IPCC, lançado em 04/04, que trata da mitigação das mudanças climáticas, definida pelo IPCC como uma intervenção humana para reduzir as fontes, ou aumentar os sumidouros de gases de efeito estufa.

Segundo ela, a publicação do livro organizado pela CETESB, como parte do Acordo Ambiental São Paulo, é um exemplo da busca do alinhamento do Estado com os esforços de adaptação e de atenuação das mudanças climáticas.

“As apresentações das medidas adotadas por empresas do Estado de São Paulo mostram a liderança, a motivação, a conscientização e, acima de tudo, a preocupação com os impactos já observados com a mudança do clima no Brasil. As experiências em diferentes setores servirão como semente promissora para deter a ameaça da mudança do clima. Parabenizo o lançamento do livro e felicito a cada um dos envolvidos. É um ponto de partida para outras inciativas semelhantes no âmbito da agenda ambiental do Estado.” – Pontuou a pesquisadora.

Evandro Gussi, presidente da Câmara de Mudanças Climáticas da CETESB e da UNICA – União da Indústria de Cana-de-Açúcar, também participou do painel técnico e afirmou ter sido uma honra fazer parte da elaboração da publicação. “Pude ter um olhar privilegiado de uma saudável evolução tão organizada entre a esfera pública e privada.”

Gussi avalia que as questões ambientais estão no meio das atividades empresariais. “Agradeço à dra. Patrícia por extrair da CETESB aquilo que ela tem de melhor, pois ela soube reconhecer todo o valor da casa na construção, ao longo de décadas, de excelência técnica na área ambiental. Ao mesmo tempo, ela soube conectar isso com a iniciativa privada, que nem sempre acerta, mas que, se for bem orientada, pode construir empreendimentos ambientalmente adequados.”

Disposto a apoiar e a se envolver em qualquer projeto que tenha impacto na cadeia como um todo, bem como em qualquer proposta de transformação no comportamento do consumidor, Paulo Pompílio, diretor de relações institucionais do grupo Pão de Açúcar e vice-presidente da APAS – Associação Paulista de Supermercados, também marcou presença na discussão.

“Os objetivos fazem com que o setor de supermercado seja fundamental na proposta de mudanças que envolva a vida do consumidor. Um exemplo são os postos de material reciclado e a redução do uso de sacolas plásticas. Podem ser mudanças pequenas, mas que somadas representam um grande impacto.”

Para Thiago Pietrobon, representante da ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento e membro da Câmara de Refrigeração e Ar condicionado da CETESB, “O momento é interessante para o lançamento, pois o IPCC fecha um ciclo com a apresentação do novo relatório, que aborda principalmente mitigação e o livro é a apresentação de boas práticas que buscam a diminuição das emissões, estamos na vanguarda da discussão. A publicação representa a democratização dessas informações para pequenas e grandes empresas, municípios, e todos os interessados.

Outra empresa que participa do Acordo Ambiental São Paulo e que estava presente no debate é a Leroy Merlin, representada por Andressa Borba, diretora de desenvolvimento responsável, cultura e comunicação corporativa.

Segundo ela, a empresa também atua na linha do consumo consciente que envolve os clientes, os fornecedores e demais parceiros de negócios. “Temos desafios para promover o engajamento necessário. Só em 2021, passaram por nossas lojas mais de 20 milhões de clientes. Temos uma presença nacional e proporcionamos o empoderamento do consumidor.”

Área técnica

Em sua explanação, a chefe de gabinete da CETESB, Caroline Marques Leal Jorge Santos, lembrou que seremos reconhecidos por nossas ações e omissões com relação ao meio ambiente, especialmente, na agenda climática. “As gerações futuras vão cobrar a fatura do que fizemos, por isso é tão importante estarmos aqui destacando ações como o Acordo Ambiental São Paulo e essa publicação que traz as iniciativas das empresas.”

Para finalizar, Caroline frisou: “o número de adesões ao programa aumenta a cada semana. Não apenas por isso temos de comemorar, mas também pela sua extensão, que vai de microempresas até gigantes da indústria.”

Josilene Ferrer, assessora da presidência da CETESB, encerrou o evento ressaltando o fato de, após dois anos e dezenas de reuniões virtuais, poder conhecer pessoalmente os envolvidos na implementação do Acordo Ambiental e na produção do livro.

“Aproveito para informar que já está disponível na internet a nota técnica número 1, para apoiar o monitoramento das emissões. Estamos trabalhando com muito afinco na elaboração da segunda nota técnica do Acordo Ambiental, sobre compensação de emissões.”

Josilene concluiu que o ODS 17 da ONU é sobre parcerias. “E isso é exatamente o universo que estamos exercitando no Acordo Ambiental São Paulo. Na nota técnica, por exemplo, foram 60 especialistas que, de alguma forma, interagiram. O livro contou com 92 colaboradores que escreveram cases, avaliaram, analisaram ou foram pareceristas. É um trabalho com elevado nível de organização técnica e disponibilidade das empresas”.

Da esquerda para direita: Arnaldo Basile – Presidente da Abrava, Patricia Iglecias, Lucas Fugita e Arthur Ngai

Evandro Gussi, Patrícia Iglecias, Marcos Penido, Affonso Massot e Márcio Rea

Lucas Fugita, Josilene Ferrer, Arthur Ngai, Arnaldo Basile e Thiago Pietrobon

Márcio Rea e Patrícia Iglecias

Patrícia Iglecias e Paulo Pompílio

Thiago Pietrobon, Paulo Pompílio, Andressa Borba, Josilene Ferrer e Caroline Santos

Texto: Cristina Olivette

Revisão: Cristina Leite/Cristina Couto

Fotografia: Pedro Calado.