Emissões do Setor de Energia – Subsetor de Transportes

 

Energia-Transportes

O Relatório de Referências das Emissões de Gases de Efeito Estufa do Setor de Energia, Subsetor de Transportes, período de 1990 a 2008, é parte integrante do 1º Inventário de Emissões Antrópicas de Gases de Efeitos Estufas Diretos e Indiretos do Estado de São Paulo, que foi um projeto coordenado pela CETESB/SMA com o apoio da Embaixada Britânica.

O presente relatório reúne quatro documentos sobre as emissões do transporte aéreo, aquaviário, ferroviário e rodoviário. O desenvolvimento das estimativas se baseou nos métodos de 1996, 2000 e 2006 do Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima (IPCC), resultando em um trabalho com transparência e comparabilidade com o Inventário Nacional das Emissões de Gases de Efeito Estufa do país.

O documento foi elaborado sob a coordenação da Instituto Mauá de Tecnologia (IMT), em parceria com as principais instituições e especialistas de cada subsetor, entre as quais, a Agência Nacional da Aviação Civil (ANAC), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO), o Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (DAESP), e o Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), sempre com o apoio da Embaixada Britânica no Brasil, no âmbito do Projeto “Apoio à Política Climática do Estado de São Paulo”. Além dessas parcerias, a elaboração dos Relatórios de Referência contou com a colaboração de diversas outras instituições e pesquisadores dos setores inventariados.

O levantamento dos dados das atividades e os fatores de emissão foram levantados junto aos subsetores. Na maioria deles, foram empregados fatores de emissão default por não existirem dados nacionais publicados, respeitando os princípios de transparência, consistência e acurácia preconizados pelo IPCC. Os gases inventariados foram o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4), o óxido nitroso (N2O), o monóxido de carbono (CO), os óxidos de nitrogênio (NOx), e outros compostos orgânicos voláteis não metanos (NMVOC).