Amônia

Amoníaco, gás amoníaco ou amônia (NH3), é um gás incolor, alcalino e irritante em condições normais de temperatura e pressão, bastante solúvel em água em baixos valores de pH (ácidos). Um odor pungente é detectável em concentrações acima de 30 mg/L, ocorre irritação ocular e nasal a 50 mg/L, disfunção pulmonar a 1000 mg/l e há risco de morte se uma pessoa for exposta a concentrações acima de 1500 mg de NH3/L(11). Ocorre em vários efluentes domésticos e industriais e também resulta da decomposição natural da matéria orgânica.

O amoníaco e seus derivados (uréia, nitrato de amônio e outros) são usados na agricultura como fertilizantes e componentes de vários produtos de limpeza. O amoníaco é muito usado em ciclos de compressão (refrigeração) devido ao seu elevado calor de vaporização e temperatura crítica. Utilizado em processos de absorção em combinação com a água, resulta da combustão de lã, seda, melamina e náilon.

A amônia é facilmente biodegradável. As plantas a absorvem com muita facilidade, sendo um nutriente muito importante como fornecedor de nitrogênio para a produção de compostos orgânicos azotados. Em concentrações muito altas, por exemplo, na água de consumo, pode causar danos graves, já que interfere no transporte do oxigênio pela hemoglobina, entre outros efeitos tóxicos.

Pela legislação federal em vigor, a Resolução CONAMA N° 357, o nitrogênio amoniacal é padrão de classificação das águas naturais e padrão de emissão de esgotos.

A amônia é um tóxico bastante restritivo à vida dos peixes, sendo que muitas espécies não suportam concentrações acima de 5 mg/L e valores acima de 0,01 mg/L podem ser tóxicos aos peixes. Além disso, como visto anteriormente, a amônia provoca consumo de oxigênio dissolvido das águas naturais ao ser oxidada biologicamente, a chamada DBO de segundo estágio. Por estes motivos, a concentração de nitrogênio amoniacal é importante parâmetro de classificação das águas naturais e normalmente utilizado na constituição de índices de qualidade das águas(12).

Os níveis de amônia na superfície da água doce crescem com o aumento do pH e temperatura (Tabela 3). Em baixos pH e temperatura, a amônia se combina com a água para produzir um íon amônio (NH4+) e um íon hidróxido (OH-). O íon amônio não é tóxico e não causa problemas para os organismos, enquanto que a forma não ionizada tem efeito tóxico. Acima de pH 9, a amônia não ionizada é a forma predominante no meio e pode atravessar membranas celulares mais rápido à medida que aumentam os valores de pH. A magnificação da concentração de amônia que pode penetrar no organismo potencializa o efeito tóxico.

Tabela 3

Porcentagem de amônia total não ionizada (tóxica) em uma solução de zero salinidade (13)

Temperatura (°C) pH
6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 8,5 9,0 9,5 10,0
05 0,0013 0,0040 0.12 0.39 1.2 3.8 11 28 56
10 0,019 0,059 0,19 0,59 1,8 5,6 16 37 65
15 0,027 0,087 0,27 0,86 2,7 8,0 21 46 73
20 0,040 0,13 0,40 1,2 3,8 11 28 56 80
25 0,057 0,18 0,57 1,8 5,4 15 36 64 85
30 0,080 0,25 0,80 2,5 7,5 20 45 72 89