A COP mais deprimente e o novo ouro

por Alfredo Sirkis, especial para o Observatório do Clima, em Madri

Vamos cair na real: nunca uma COP abriu numa situação global mais deprimente. Já não estou falando da confirmação sistemática dos piores cenários climáticos previamente traçados pela ciência, nem das atitudes de Donald Trump. Cenários são e serão sempre imprecisos –para melhor ou pior– e Trump não consegue controlar a quinta economia do mundo: os Estados que não aceitam seu anúncio de deixar o Acordo de Paris e tratam de cumprir a NDC dos EUA por eles mesmos, contando ainda com a débâcle econômica do carvão. Nada garante que serão bem sucedidos, mas estão tentando…