Resíduos oleosos vazam de refinaria da Petrobras em Cubatão

O extravasamento de resíduos oleosos da estação de tratamento de efluentes da Refinaria Presidente Bernardes da Petrobras, em Cubatão, na Baixada Santista, ocorrido em 15.01, com películas e manchas de óleo atingindo o Rio Cubatão, motivaram o acionamento de técnicos da Agência Ambiental de Cubatão e do Setor de Operações de Emergência da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB, que acompanham os trabalhos até o momento.

Não foram constatados significativos impactos ambientais na região e mesmo ao longo do Rio Cubatão até a sua foz, na área de manguezal. Já no final da tarde de domingo, 16.01, as manchas eram menos visíveis no curso d´água, mas os funcionários da Petrobras, cerca de 30 pessoas, com o uso de quatro caminhões-vácuo, barreiras absorventes e outros equipamentos e materiais, ainda trabalhavam na contenção do vazamento.

Segundo apurado pela CETESB, devido à falta de manutenção e limpeza – em períodos mais curtos -, e também provavelmente por causa das intensas chuvas dos últimos dias, a lagoa de decantação de resíduos oleosos começou a extravasar no sábado, atingindo o rio com películas de óleo, e piorou no domingo de manhã, já com manchas maiores, que eram percebidas pela população, principalmente na altura da Ponte 9 de Julho, no centro da cidade de Cubatão. A menor presença de óleo começou a ser percebida no final da tarde de domingo.

Em função disso, os técnicos da CETESB, entre outras providências, acompanharam os primeiros trabalhos de contenção dos resíduos oleosos, ainda dentro das instalações da refinaria, e depois monitoraram todo o curso d´água e suas margens até a foz, coletaram amostras de água e exigiram da Petrobras a imediata limpeza e desassoreamento da lagoa de decantação.

Este não é o primeiro episódio de extravasamento de resíduos oleosos da lagoa de decantação. A Refinaria Presidente Bernardes já foi autuada, em dezembro de 2010, em função de ocorrência semelhante, em 4.000 UFESP – Unidade Fiscal do Estado de São Paulo – UFESP, atualmente equivalente a R$ 17,45.

Texto
Mário Senaga
Fotografia
Agência Ambiental de Cubatão / Setor de Operações de Emergência