Você sabia …. que a sede da CETESB foi sendo construída gradativamente?

E que o início se deu no chamado Prédio 5, que atualmente abriga uma parte dos laboratórios? E também que o Prédio 12 ficou conhecido como Bolo de Noiva, por causa do seu formato em cascata? E que, mais recentemente, o Laboratório de Dioxinas e Furanos, inaugurado em 2009, recebeu o nome de Otacílio Alves Caldeira, em homenagem ao primeiro diretor-presidente da Companhia? Pois é, contamos aqui, com um pouco mais de detalhes, algumas das etapas dessas construções.

Conforme comentado na matéria Agência ambiental paulista surgiu na hora certa, as primeiras instalações da CETESB na Avenida Prof. Frederico Hemann Jr., 345, onde se localiza até hoje a sede da empresa, foram inauguradas no dia 4 de fevereiro de 1969, com placa descerrada pelo então governador Roberto Costa de Abreu Sodré, ao lado do secretário dos Serviços e Obras Públicas Eduardo Riomey Yassuda; do presidente do Conselho Administrativo do FESB, Agato Mingione; do superintendente do FESB, Benedito Barbosa Pereira; e do diretor-presidente do CETESB, Otacílio Alves Caldeira.

No dia 4 de fevereiro, o governador inaugurará as novas instalações do Centro Tecnológico de Saneamento Básico – CETESB – localizado às margens do rio Pinheiros, junto à Estação de Tratamento de Esgotos.
A atual administração investiu cerca de 2 milhões de cruzeiros novos para a conclusão do prédio e aparelhamento do CETESB, que, entre outras atribuições, tem o encargo de dar suporte tecnológico aos programas de águas e esgotos a cargo do FESB, DAE, COMASP e SBS, programas esses que, somente neste ano, irão aplicar mais de 550 milhões de cruzeiros novos entre recursos diretos, verbas de investimentos e empréstimos.

(O Estado de S. Paulo, edição 29 de janeiro de 1969)

Havia, naquela ocasião, apenas um edifício, o hoje conhecido Prédio 5, na parte central do terreno. Em 1969, o prédio abrigava os seguintes setores e usos: Administração; Processamento de Dados e Estatística; Laboratórios de Controle de Poluição, de Química e de Bacteriologia e Hidrobiologia; Estudos e Pesquisas; Treinamento; Biblioteca; Seção Técnica; Sala de Reuniões; e Anfiteatro. Na área central, ficavam banheiros, dois espaços ajardinados, refeitório e cozinha. No subsolo, havia, ainda, o Laboratório de Ensaios de Materiais. A entrada principal, nessa época, era voltada para a avenida e assim permaneceu até 1974.

Em uma segunda etapa de instalação, entre 1972 e 1973, ocorreu a construção do Prédio 2, localizado logo atrás do Prédio 5, e que serviu, principalmente, para o funcionamento dos laboratórios de controle de qualidade de materiais e equipamentos.

O Prédio 1, inaugurado em 1974, já possuía concepção atual, de 14 pavimentos, sendo a estrutura principal da Sede. Abrigava não só a Recepção Social e o auditório Augusto Ruschi, mas também o Gabinete da Presidência e as Diretorias. Na ocasião, a entrada principal era na parte frontal do prédio, possuindo uma rampa voltada diretamente para a avenida Prof. Frederico Hermann Jr. A logomarca da empresa foi fixada na fachada logo acima dessa entrada. Na implantação atual, a rampa foi substituída por áreas ajardinadas.

Naquele ano, seriam efetivadas ainda as obras de canalização do córrego que percorre a avenida onde está a Sede e deságua no rio Pinheiros.

Já a construção do edifício conhecido como Anexo (anexo ao Prédio 1), local onde funcionou o espaçoso refeitório dos funcionários até o começo dos anos 2000, foi concluída em 1976.

Na mesma fase, foi erguido o Prédio 6, que abriga atualmente, entre outras áreas, a Escola Superior da CETESB, a Agência Ambiental de Pinheiros e o Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA).

A seguir, foi iniciada a instalação do Prédio11, onde funciona a Estação Telemétrica de qualidade do ar, que recebe diariamente informações de todas as estações automáticas de monitoramento da qualidade do ar no estado de São Paulo.

O Prédio 12, conhecido como Bolo de Noiva, foi construído entre 1978 e 1979, e inaugurado pelo governador em 5 de junho – Dia Internacional do Meio Ambiente – de 1979. Entre outras áreas, se encontra nesse edifício, no andar Térreo, a Informática (Tecnologia da Informação) e a biblioteca Professor Doutor Lucas Nogueira Garcez – homenagem ao “ilustre homem público, professor catedrático e pioneiro da engenharia sanitária nacional” – , inaugurada em 05/06/1982, durante as comemorações do 10º aniversário da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Importante lembrar que o Centro Memória da CETESB foi lançado em abril de 1993 e está sediado junto à biblioteca.

No dia Mundial do Meio Ambiente, São Paulo amanheceu com seis áreas em estado de atenção – Aclimação, Centro, Campos Elíseos, praça da República, Tatuapé e São Caetano do Sul –, quase ao mesmo tempo em que o governador Paulo Maluf inaugurava o novo anexo da sede da Cetesb, na rua Nicolau Gagliardi. Trata-se de um prédio de cinco andares, de formato circular, onde vai funcionar o Centro de Informática da empresa, atualmente espalhado por vários edifícios, e possivelmente as superintendências de Engenharia e de Administração de Licenças, cuja transferência já está sendo estudada.
Por enquanto, apenas o andar térreo do anexo está ocupado. Ali funciona o setor de consultas da biblioteca da Cetesb, com dez mil documentos em microfichas, seis mil volumes impressos e 435 títulos de publicações técnicas que nos últimos cinco anos não tiveram sua circulação interrompida. Instalado o Centro de Informática, os demais andares abrigarão, entre outros setores, a Central de Computação da Superintendência de Informática e o Banco de Dados. O novo edifício ocupa uma área de 7.500 metros quadrados e o custo da obra é de 59 milhões de cruzeiros.

(O Estado de S. Paulo, edição 6 de junho de 1979)

Lembrando que o projeto arquitetônico do Prédio 12 é assinado por Roberto Loeb. Em sua página na internet, o arquiteto descreve o edifício assim:

Cada pavimento varia em dimensão de acordo com o raio do semicírculo, sempre ganhando um patamar com terraço e jardineira em sua borda. Desse modo, todos os andares recebem iluminação natural, filtrada por brises verticais. A volumetria curva contrapõe-se a linearidade da prumada com elevadores e escada, e, no exterior, rompe com a ortogonalidade das construções do entorno.

Vale destacar, finalmente, que, vizinhos ao Prédio 12, onde antigamente funcionavam alguns galpões pertencentes à Prefeitura de São Paulo, foram instalados a gráfica e outros laboratórios, além do Laboratório de Emissão Veicular, inaugurado em outubro de 1977. Mais recentemente, em 2009, foi inaugurado o moderno Laboratório de Dioxinas e Furanos, tendo recebido o nome de Otacílio Alves Caldeira, o primeiro diretor-presidente da Companhia.

Texto: Mário Senaga
Revisão: Cris Leite
Fotos: SMA