Você sabia… que a CETESB, que hoje tem 2 mil funcionários, começou com 30?

Por ocasião do início de atividades da CETESB, determinou-se que a empresa, para atender às suas necessidades funcionais, deveria começar com um quadro médio de empregados composto de trinta técnicos de nível superior e de cento e vinte auxiliares diversos. Um depoimento, datado de 1974, para o informativo interno da Companhia, do técnico Cláudio Oliveira Santos, da então equipe da DOC (Divisão de Operação de Campo), chefiada por Ben-Hur Luttembark Batalha, mencionava: “Quando tudo começou, em 1968, éramos umas 30 pessoas…”

Cláudio Oliveira Santos se referia ao núcleo preliminar, de funcionários que iriam viabilizar a nova empreitada e, desta forma, foram o embrião da futura Companhia. Nessa oportunidade, o então diretor Otacílio Alves Caldeira, do CETESB – que ainda se constituía numa diretoria do FESB e cuja sede era na estação de tratamento de água do Alto da Boa Vista, no bairro de Santo Amaro – , convocou um grupo de 27 técnicos do DAE, DAEE e DOS, entre eles, o próprio Cláudio, e Ivan Horcel, atualmente presidente da Associação dos Aposentados e Pensionistas da CETESB (AAPP).

É Ivan quem conta: “Na prática, fomos os primeiros funcionários da nova empresa, porém, como éramos comissionados e com vínculo empregatício regido pelas leis do funcionalismo público, nossos crachás funcionais não foram contemplados com os primeiros números. Eu, por exemplo, tinha o crachá de número duzentos e pouco…”. Ivan lembra que o DAE, além dos funcionários, cedeu todos os equipamentos relativos aos laboratórios de química, microbiologia e coleta de amostras. “Em dezembro de 1969, mudamos para a Av. Prof. Frederico Hermann Jr., para o que é hoje o Prédio 05”.

De qualquer modo, obviamente, a agência ambiental paulista, que hoje tem cerca de 2 mil funcionários, não chegou à posição de principal órgão do país em expertise na área de meio ambiente, assim como uma das maiores e mais respeitadas do mundo, sem ter contado, desde os seus primórdios, com um grupo de visionários e idealistas entusiasmados, além de uma equipe de técnicos altamente qualificados e um corpo funcional como um todo comprometido com a excelência e os ideais da Companhia.

Sem esquecer que, nos anos mais recentes, tem se inserido intrinsecamente no Sistema Ambiental Paulista, compondo, com os funcionários das instituições, órgãos e coordenadorias da Secretaria de Estado do Meio Ambiente uma “grande família”, em prol da melhoria da qualidade do ambiente e da vida da população de São Paulo.

Vamos contar, então, um pouco mais dessa história e dessa evolução, com um pouco mais de detalhes (este é o primeiro da série, sobre os funcionários)…

Os pioneiros

Conforme enfatizado na publicação “CETESB 25 ANOS – Uma história passada a limpo”, é importante registrar, em primeiro lugar, aqueles que iniciaram o processo de criação da CETESB, ainda em 1967, como, entre outros, Hilário Torloni, vice-governador na época e entusiasta do saneamento básico e da valorização tecnológica; o eng. Eduardo Yassuda, titular da Secretaria de Serviços e Obras Públicas (o FESB – Fundo Estadual de Saneamento Básico era vinculado a esta Secretaria); o eng. Paulo Nogami, coordenador da criação do Centro Tecnológico e criador da sigla CETESB; o advogado Florivaldo Meneses, do Grupo de Planejamento Setorial (GPS) da Secretaria; o eng. Ágato Mingione, chefe de Gabinete e técnico do GPS (Grupo de Planejamento Setorial), presidente do Conselho Administrativo do FESB.

Lembrando também dos engenheiros Armando Fonzari Pera, técnico do GPS; Benedito Barbosa Pereira, superintendente do FESB; Antonio Pezzolo, presidente da CICPAA; do biólogo Samuel Murgel Branco, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP e que chefiou a área de hidrobiologia da Divisão de Tratamento do DAE; e o eng. César Macher, da ONU/Opas/OMS.

Assim como aqueles que compuseram a primeira Junta Consultiva, iniciando o processo de cuidadoso acompanhamento dos primeiros cinco anos da instituição: Lucas Nogueira Garcez, presidente da Junta; Samuel Murgel Branco, já mencionado acima; Luiz Gonzaga Junqueira de Aquino, da Secretaria de Estado de Higiene e Saúde; Benoit Almeida Victoretti, diretor-geral do DAEE; Abrahão Fainzilber, diretor-geral do DAE; Haroldo Jezler, presidente da COMASP; Armando Fozari Pera e José Meiches, professores respectivamente da Faculdade de Higiene e Saúde Pública e da Poli.

Também, não poderíamos deixar de registrar os nomes dos primeiros 15 funcionários, com base nos seus números nos crachás da Companhia, de 0002 a 0016 (o registro de nº 0001 corresponde ao “Termo de Abertura” da constituição da empresa, exigência da Delegacia Regional do Trabalho): Celso Eufrásio Monteiro (Nº Registro 0002-8), Alvino Genda (0003-1), Lázaro da Silva (0004-5), Sônia Maria Prado (0005-9), Fernando Fukuda (0006-2), Aristides de Almeida Rocha (0007-6), Ivone Talamo (0008-0), Miguel Mendonça (0009-3), Ely Carlos de Alvarenga (0010-3), Octávio Caldo (0011-7), Roberto Morales Dias (0012-0), Bartholomeu Ferez Cruz (0013-4), Antonio Carlos Rossin (0014-8), Maria Aparecida Barriento Loureiro (0015-1) e Luizmar Chaves Seabra Pereira (0016-5).

E, antes mesmo desses primeiros funcionários registrados sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho, como já mencionamos inicialmente, é essencial destacar o grupo de 27 profissionais dedicados que, com vínculo de emprego regido pela Consolidação das Leis do Funcionalismo Público, faziam funcionar os laboratórios da Estação de Tratamento de Água do Alto da Boa Vista, berço do Centro Tecnológico de Saneamento Básico e Controle de Poluição das Águas.

Embora não constem oficialmente como “os primeiros funcionários”, necessário se faz reconhecê-los como de fato os precursores, que “deram o melhor de si para ‘o’ CETESB andar com as próprias pernas”, e até porque a maioria continuou trabalhando na Companhia, até se aposentarem. Conforme decreto de 29/10/1973, publicado no D.O.E. de 30/10/1973, foram finalmente “colocados à disposição da CETESB”: Walkiria Penteado Botto, Otacílio Alves Caldeira (que se tornou o primeiro presidente da Companhia), Paulo Soichi Nogami, Domingos Nigro, Ernesto Werner Fredriksen, Maria Therezinha Martins, Ivan Ronaldo Horcel, João Eudóxio de Faria, Levy Meriche, Daicy Batista Horcel, Katia Florentino Cesar Momo, Victor Mário Facciolla, Marisa Fonseca Sartoris, Antonio Tesie Neto, Benic Caetano, Cláudio Oliveira Santos, Mariana Iraê Mendes Lavorin, Shizue Shintani, Domingos de Paula e Silva, Mário Alves, Urias José da Silva, Geraldo Salles, Antonio Carlos Rosário Kussama, José Nicola Madiarelli, Camal Salomão Rameb, Porphirio Rodrigues da Silva e Benedito Pacheco.

Texto: Mário Senaga
Fotos: CETESB