Cenários de riscos na Baixada Santista é tema de encontro

Marco Antônio José Lainha falou da importância da troca de experiências

Marco Antônio José Lainha falou da importância da troca de experiências

Na terça-feira (23/8), a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil e a Cetesb promoveram o Encontro técnico para análise de cenários de riscos com produtos químicos na Baixada Santista. O objetivo do encontro, realizado no Palácio dos Bandeirantes, foi identificar os atuais sistemas organizados que desenvolvem ações preventivas e de respostas às ocorrências com produtos químicos na região, como nos casos dos grandes incêndios da Ultracargo e Localfrio.

O encontro serviu também para promover o debate interdisciplinar, aproximar e integrar as instituições, estimular o pensamento estratégico de ações conjuntas e consolidar políticas, programas e metas pelas instituições públicas e de capital privado.

“Quando nos encontramos em alguma emergência, quase sempre vem um colega compartilhar algo sobre como melhorar aquele atendimento. Por que então não reunir todos os atores para trocarmos e consolidarmos as experiências?” Com essas palavras, Marco Antônio José Lainha, Setor de Atendimento a Emergências, um dos organizadores do encontro, abriu os trabalhos.

Além da troca de experiências, o encontro centrou na necessidade de um trabalho integrado que, daqui para frente, envolva todos os atores atuantes em uma emergência: bombeiros, Defesa Civil, Cetesb, agentes de trânsito e pessoal da área da saúde. Discutiu-se também a necessidade urgente da criação de cursos de capacitação.

A última palestra do encontro foi proferida João Ariel Blanco Ferreira, coordenador do Grupo de Apoio Externo APELL/CE, de Duque de Caxias-RJ. O Processo APELL é um conjunto de diretrizes formuladas pelo Departamento da Indústria e Meio Ambiente do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP), em cooperação com a Associação das Indústrias Químicas dos Estados Unidos e o Conselho Europeu das Federações da Indústria Química, com dois objetivos básicos: criar e/ou aumentar a conscientização da comunidade quanto aos possíveis perigos existentes na fabricação, manuseio e utilização de materiais perigosos e quanto às medidas tomadas pelas autoridades e indústria no sentido de proteger a comunidade local; e desenvolver, com base nessas informações, e em cooperação com as comunidades locais, planos de atendimento para situações de emergência que possam ameaçar a segurança da coletividade.

O Processo APELL (Awareness and Preparedness for Emergencies at Local Level – Conhecimento e Preparação para Emergências no Nível Local, na sigla em inglês) tem sido utilizado por diversos países, quase todos em industrialização, como base para implantação de sistemas de preparação e resposta para emergências. O APELL de Duque de Caxias existe há 18 anos. Uma das propostas do encontro foi a criação do APELL na Baixada Santista.

Participaram da abertura do evento Flávia Maria Gonçalves, promotora de Justiça do GAEMA – Núcleo Baixada Santista; Ricardo Salles, secretário do Meio Ambiente; Ten. Cel. PM Eduardo Nocetti Holms, comandante do 6º Grupamento de Bombeiros de Santos; e o Cel. PM José Roberto Rodrigues de Oliveira, secretário da Casa Militar. Ricardo Salles falou sobre a importância da integração das equipes nas ações e, também, sobre sua preocupação com a modernização de equipamentos para uma mais atuante fiscalização.