Um Nobel para a Química Verde

Charles Darwin (1809-1882) o pai da teoria da evolução das espécies

Charles Darwin (1809-1882) o pai da teoria da evolução das espécies.

O excepcional Charles Darwin nos ensinou ser a evolução um processo que ocorre lentamente, ao longo de milhares, e até milhões de anos, comandada pelos requisitos da própria Natureza como a necessidade de adaptações ao ambiente em nome da sobrevivência.

Imagine poder acelerar este processo e criar novas estruturas moleculares de forma a permitir avanços tecnológicos inimagináveis de grande impacto na qualidade de vida das pessoas e do planeta. Foi exatamente o que fez a notável cientista Frances H. Arnold, do Californian Institute of Technology dos EUA.

Em 1993 a Dra. Frances Arnold trouxe para as condições de laboratório o fenômeno da evolução ao produzir enzimas 256 vezes mais evoluídas que a original através da seleção genética. Arnold acelerou o processo de seleção natural introduzindo mutações em sequências básicas de proteínas e testando posteriormente os efeitos dessas mutações. Se uma determinada mutação melhora a função da proteína, é possível repetir o processo para aprimorá-lo ainda mais. Por meio dessa estratégia foi possível o desenvolvimento de proteínas para uma ampla variedade de aplicações. Possibilitou o desenvolvimento de catalisadores mais limpos, a produção de medicamentos genéticos além de detergentes e combustíveis renováveis não agressivos ao ambiente. Aqui estão presentes no mínimo dois dos pilares da Química Verde, o baixo consumo de energia em reações químicas catalisadas e a produção de materiais ambientalmente amigáveis.

Por esta contribuição à Ciência a Dra. Frances Arnold foi contemplada com o merecido Prêmio Nobel de Química – 2018. Passa a ser a quinta mulher a receber esta láurea, que se iniciou em 1911 com Marie Curie, tendo em Ada E. Yonah a última ganhadora em 2009.

Neste 2018 o Prêmio Nobel de química será compartilhado também com dois outros pesquisadores, o Dr. George P. Smith, da Missouri University, também dos EUA, que a partir do processo de seleção de Arnold desenvolveu outro que possibilita a criação de proteínas evoluídas pela ação de um bacteriófago, e o Dr. Gregory P. Winter, do MRC – Molecular Biology Laboratory do Reino Unido que usou o mesmo mecanismo para a produção dirigida de anticorpos, o que possibilitou a produção de medicamentos para tratamento de artrite reumatóide e doença inflamatória intestinal.

Frances Arnold, George P. Smith e Gregory P. Winter os trê contemplados com o Prêmio Nobel de Química- 2018.

Frances Arnold, George P. Smith e Gregory P. Winter os trê contemplados com o Prêmio Nobel de Química – 2018.

Com os resultados dos estudos destes três eminentes pesquisadores hoje já é possível neutralizar a ação de toxinas, retardar o desenvolvimento de doenças do sistema auto imune e curar o câncer metastático.

Esta premiação vem coroar iniciativas científicas desenvolvidas em total harmonia com o principal objetivo do “Ano Internacional da Química – 2011” que é o de trabalhar em prol de uma Química voltada ao bem estar da humanidade e proteção do planeta. Aí tem Química, e isso é muito bom.

Quer saber mais? Veja em :
https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2018/10/nobel-de-quimica-de-2018-vai-para-o-aproveitamento-do-poder-da-evolucao.shtml