Técnicos da Emergência já iniciaram curso no Panamá

São cerca de 30 alunos, inscritos por entidades como a Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Ministério da Saúde, Caixa Social, universidades, Centro de Toxicologia, Autoridade Marítima do Canal do Panamá, Agência Nacional de Meio Ambiente e outras.

Estes são os alunos do curso “Prevención, Preparación y Respuesta a Desastres por Productos Químicos Peligrosos”, iniciado nesta segunda-feira (6/10) pelo Sistema Nacional de Proteção Civil – SINAPROC, do Governo do Panamá, tendo como professores o gerente do Setor de Operações de Emergência da CETESB, Edson Haddad, e os técnicos Jorge Luís Gouveia e Mauro de Souza Teixeira.

Segundo Haddad, em correspondência direta da Cidade do Panamá, onde o curso está se realizando, houve uma sessão de abertura com a presença da representante da Organização Panamericana de Saúde – OPS no Panamá, Guadalupe Verdejo, além do diretor-geral do SINAPROC, Arturo Alvarado e do representante do ministro da Saúde do Panamá.

Haddad e Gouveia tiveram a oportunidade de fazer uma exposição na solenidade de abertura do curso, quando ouviram muitos elogios sobre a experiência da CETESB. A expectativa dos técnicos panamenhos é de que o curso contribua para uma melhor articulação das entidades presentes, promovendo maior contato para adequar e melhorar o atual sistema de resposta a acidentes químicos.

As primeiras aulas do curso, ministradas por Haddad, impressionaram os alunos, especialmente por causa do número de acidentes atendidos pela CETESB anualmente.

São em média 500 ocorrências por ano. O fato do Estado de São Paulo contar com uma população de 32 milhões de habitantes, ter quatro refinarias de petróleo e o tamanho da cidade de São Paulo também constituíram motivo de surpresa.

A palestra sobre riscos químicos despertou grande interesse, fazendo os alunos anotarem as informações e suscitando muitos questionamentos sobre o comportamento dos produtos em situações de emergência. O dia terminou com uma palestra sobre toxicologia associada a emergências e responsabilidade das instituições em casos de acidentes com produtos químicos.

Segundo o gerente do Setor de Operações de Emergência, haverá um simulado teórico de acidente na quinta-feira e um simulado prático na sexta-feira, que deverá ser acompanhado pelos representantes da OPS e do Ministério da Saúde.

O curso, com duração de 40 horas, no período de 6 a 10 de outubro, está sendo realizado por solicitação da OPAS – Organização Panamericana de Saúde, da qual a CETESB é centro colaborador em Preparação de Emergência para Casos de Desastre, desde 1992. A estrutura do curso é a mesma dos que são ministrados pela CETESB, em São Paulo, atendendo a interessados de órgãos ambientais de outros Estados, prefeituras e empresas da iniciativa privada, sendo este o primeiro a ser realizado no Exterior.