Prêmio Jovem da Água de Estocolmo tem apoio da CETESB

Finalistas participarão da etapa internacional, na Suécia, com mais de 30 países

A água é um recurso precioso e findável. Dessa forma, estimular sua preservação é fundamental. E este é o objetivo do Prêmio Jovem da Água de Estocolmo (Stockholm Junior Water Prize – SJWP), que reúne jovens inovadores de todo o mundo em desafios relacionados à água e sustentabilidade.

A terceira edição do prêmio no Brasil, promovido pela Câmara Brasileira de Comércio na Suécia em parceria com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Relações Empresariais Internacionais (IBREI), teve o apoio da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), e foi realizada no Auditório August Ruschi, na terça-feira, 4 de junho.

Na abertura da cerimônia, a presidente da CETESB Patrícia Iglecias destacou o trabalho da companhia na Agenda 2030 para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), mais especificamente, o ODS 17, de Parcerias e Meios de Implementação. “Academia e setor privado são fundamentais para realizar qualquer dos objetivos”, frisou.

Entre as ações da CETESB relacionadas à água, Patrícia ressaltou o licenciamento, lembrando que a compensação ambiental de empreendimentos viabilizou o Programa Nascentes, que desde 2015 plantou mais de 23 milhões de mudas para restaurar nascentes e seu entorno. É o plantar água!

Patrícia lembrou que o desenvolvimento da atividade econômica deve ocorrer, mas com preservação ambiental. E para que assim seja, o programa CETESB de Portas Abertas dialoga direto com os setores para entender as dificuldades e avançar na agenda sustentável. “As questões ambientais são prementes, então temos de buscar soluções alternativas. É o que o jovem deve fazer, buscar o conhecimento. Devemos valorizar essa iniciativa. E o prêmio faz esse reconhecimento”.

Para o cônsul da Suécia Peter Johansson, falamos muito que o futuro é dos jovens, mas é o presente que pertence aos jovens, que são nosso presente em todos os sentidos da palavra.

“Os jovens já fazem parte da solução e precisam ser incentivados e estimulados, que é o objetivo desse prêmio”, reforçou a coordenadora do Prêmio no Brasil Ana Carolina Deveza.

Finalistas

O Prêmio Jovem da Água de Estocolmo 2019 recebeu 27 inscrições e cinco finalistas apresentaram seus projetos. O vencedor da etapa brasileira foi o trabalho “Síntese de partículas de magnétita associadas a carvão ativo e poliuretano para a adsorção de corantes e íons de Cd e Co”, dos alunos Livia Luiza Pinaso e Victor Marotta Souza Cruz, da Etec Irmã Agostina, de São Paulo.

“Desenvolvemos um trabalho para que as indústrias possam retirar metais pesados da água, a um preço bastante acessível, o que vai beneficiar a população”, explicou Livia. E Victor complementou dizendo que “a pegada ecológica do projeto é conseguir recuperar os metais e ainda reutilizar o material que foi usado para sua retirada”.

Os finalistas vão apresentar o trabalho na etapa internacional, que ocorre em Estocolmo, na Suécia, durante a Semana Mundial da Água de Estocolmo (Stockholm World Water Week).

O prêmio foi criado em 1997 pelo Instituto Internacional de águas de Estocolmo (Stockholm International Water Institute). É organizado anualmente em duas etapas: uma nacional, realizada em cada um dos países participantes, e uma internacional, na qual ocorre a grande final e tem a princesa Vitória da Suécia como patrona.

Ideias sustentáveis

Ainda no evento, o presidente do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Relações Empresariais Internacionais (IBREI) Maurício Prazak lançou o “Café com Sustentabilidade IBREI: Como conexões internacionais podem promover negócios mais sustentáveis no Brasil”, em sua edição especial durante a Semana do Meio Ambiente.

Texto: Luciana Reis