CETESB participa de simulado sobre acidente químico no porto de Santos

Mais de 300 pessoas foram envolvidas no treinamento, para testar a rapidez de resposta a um acidente real.

A equipe do Setor de Atendimento a Emergências da CETESB participou, no sábado (27/07), de um exercício simulado nas ruas próximas ao porto de Santos, para medir o tempo de resposta a um acidente com produto químico. Uma carreta-tanque, transportando amônia, simulou uma colisão na via pública com um veículo de passeio, ocasionando vazamento do produto e vítimas.

Nesse cenário, técnicos especializados da agência ambiental, em parceria com agentes da Defesa Civil Estadual e Municipal, Corpo de Bombeiros e das empresas que participam do Plano de Ajuda Mútua (PAM) na área portuária, fizeram a contenção dos tambores contendo amônia e a descontaminação.

O exercício foi realizado na parte da manhã, com mais de três horas de duração e envolveu mais de 300 pessoas. Esse tipo de simulado já foi realizado em anos anteriores, mas em menor porte.

Para o coordenador da Defesa Civil do Estado, cel. Walter Nayakas, as ações de atendimento às vitimas, o monitoramento da área do acidente, o controle para contenção do produto vazado e o trabalho de evacuação dos moradores, obtiveram uma resposta positiva.

Sistema Integrado

Segundo o gerente do Setor de Emergências da CETESB, Mauro de Souza Teixeira, o simulado foi motivado em decorrência de dois acidentes de vulto, ocorridos anos atrás na região da Baixada Santista.

O primeiro envolveu um incêndio em seis tanques da empresa Ultracargo, em abril de 2015, contendo etanol e gasolina; e um segundo acidente, na empresa Localfrio, em janeiro de 2016, quando um contêiner com dicloroisocianurato de sódio incendiou-se.

“Após esses acidentes, começou a ser idealizado um plano integrado envolvendo instituições e iniciativas locais, para melhor se prepararem e responderem às ocorrências de grande vulto, e definir áreas com potencial de acidentes e de possíveis efeitos danosos à população do entorno”, afirmou Teixeira, referindo-se ao SGIP2R2 – Sistema de Gestão Integrada do Plano de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida da Baixada Santista.

O exercício simulado contou também com o apoio e a participação da Codesp, Prefeitura de Santos, SAMU, setores da Saúde (estadual e municipal), Guarda Civil, Guarda Portuária, CET municipal e empresas ligadas ao porto de Santos.